Amigos

sábado, 23 de outubro de 2010

Ética, estamos dispostos?

Série de posts relativos ao Curso de Especialização em História Social da Arte, PUC-PR. Ética - Aula de Ericson Sávio Falabretti em 18/10/2010.

Still Life with Skull (Nature morte au crane)
1895-1900 (110 Kb); The Barnes Foundation, Merion, Pennsylvania
Segundo o professor Ericson, em seus estudos sobre Cézanne, pintura e a filosofia: a arte realiza o que a filosofia não pode.

O professor Ericson se apresentou para a turma e fez uma breve introdução de como funciona o programa de um modo geral, a metodologia da pesquisa científica e sobre alguns fundamentos éticos e seus conceitos. Ouvimos sobre a relação entre a ética e a moral, conceitos e sentidos, princípios éticos ( consciência, liberdade e responsabilidade), ética e política, meios e fins. Depois sobre as várias maneiras de se abordar a ética e a problemática de tamanhas variáveis, corre-se o risco de se falar de tudo e não se absorver nada. O tema fundamental da aula: O que é ética? Foco: A responsabilidade.
Bibliografia básica para estudos: Kant (séc XVIII)- O que é esclarecimento?; Jonas, Hans (séc XX) Princípio da responsabilidade.

Detalhe: A ética é um conceito em pauta e seu termo está desgastado. O uso contínuo, indevido e exagerado enfraquece o termo, de certa forma o sentido se esvai. (Ex do uso do famoso termo ‘paradigma’ e seu uso recorrente). Análise de comportamentos ligados a ética. Afinal: O que é ética! E: Estamos realmente dispostos a agir eticamente?
Falar sobre ser ético é fácil, outra é passar por situações cotidianas que testam nossos humores ao limite e nos chamam as trangressões. Ou você é ético,ou não é. Dá pra dizer: ‘eu sou mais ou menos ético?’, ou seríamos todos assim? Na ética o comportamento deve ser integral. O relativismo de comportamento é antiético. A pergunta é: Estamos dispostos? Pois somos constantemente testados.
Usos: Ética profissional- pode entrar em conflito com valores morais (Código Normativo); Ética Corporativa-princípio de condutas dentro de uma empresa; Ética como filosofia da moral, ciência da moral ou ciênciado comportamento moral.
Perguntas: O que é moral? Pq temos uma moral? O que determina a moral? Qual o sentido da moral? O que são valores?
Respostas: A moral é uma característica eminentemente humana e é o conjunto de valores e princípios que regem nossa vida. Piaget e as três fases da formação da moral na criança: Anomia, Heteronomia, Autonomia (formação do sujeito moral). Ciência da moral, objeto da ética e o que é amoral. Origem da palavra: Mos/Mores= costumes.
Discussões: Todo mundo tem moral? É possível uma pessoa sem moral? Macunaíma é um herói sem moral ou sem caráter? Quixote é um personagem amoral?
Segundo costumes temos o campo da amoralidade, da imoralidade e da moralidade.
Exemplo da moralização da natureza. Relações de transgressões hoje são mais visíveis, até os anos 50 o estupro não era considerado crime, era um delito no qual a mulher era cúmplice. A criança não era um ser de direitos. Montesquieu e o grau de corrupção relativo ao número de leis, ou seja, quanto mais leis,mais corrupção. Qual o papel da ciência nas discussões éticas? Conceito de Eurocentrismo. O sentido moral visto de acordo com o ambiente. Técnica e ciência, a velocidade da evolução e a criação de vácuos morais. A ciência agrega novos padrões e a moral não acompanha, reage de forma reflexa. Surgem novos problemas e situações que impõe estilos de vida. Hoje o homem modifica a vida e a natureza. Isso é certo? Sobre a natureza e a preservação, Peter Singer (Ética Prática), podemos garantir direitos a quem ainda não existe? A moralização da natureza e o modo como tratamos a natureza como o meio. A criança, o índio e o louco. Exemplos de inovações na ciência e problemas com as leis: duas mulheres querem gerar uma criança. Mãe quer engravidar de marido morto, etc...Questão da eutanásia, distanásia, ortotanasia. A linha tênue entre cuidar e deixar morrer, a medicina e seu conceito de enaltecer a vida. Todas essas são questões que podem estar no campo da amoralidade, são situações que não podem ser julgadas com tendências ao nosso favorecimento. A imoralidade e as relações de vício,contra as regras estabelecidas. A religião e a política seriam um espelho do outro? A moralidade não é necessariamente ética.
A moral reflete um conjunto de normas/valores (individuais e coletivos) que determinam a conduta a partir de relações como: vício/virtude, bem/mal. É inconsciente, não é deliberada. O grande problema da moral é que ela é diversa/relativa/ambígua e por tudo isso a moral é FALÌVEL. Apesar de falível é a determinante do nosso comportamento, responde as exigências e necessidades da vida. Sucita mais problemas do que resolve. As verdades são relativas e dependem da cultura, variam de pessoa para pessoa. A moral não resolve o conflito, ela não dá conta dessas relações pois o ponto de vista não pode ser universalizado. Sempre julgamos e agimos segundo uma conduta moral e a ética nasceu como uma reflexão filosófica da moral. Discussões sobre a moral do consumo. Eu/outro/mundo interligados. A natureza é diferente da cultura, nesse sentido o consumo não é natural mas envolve todas as relações e consequências quanto a amplidão de seu impacto no planeta. Filme – ‘A histórias das coisas’ - o problema de um sistema linear de consumo em um planeta finito. Nós fazemos parte de tudo isso mas não temos a dimensão completa dessas relações. A imoralidade do consumo está na prática, não temos a exata dimensão do processo atrás da moral do consumo. Alguns pontos abordados ainda: A modernidade líquida. Discussões acerca da sociedade consumidora, a venda de ideais e não de produtos, a fugacidade, a geração y, felicidade com a aquisição de produtos, a morte como um fracasso, a ideia do corpo como uma máquina. O consumo depende das relações de fragmentação. A demonização do consumo e ações éticas associadas a ações políticas.
Ericson Sávio Falabretti é doutor em Filosofia pela UFSCAR, professor de graduação e de mestrado em Filosofia da PUC-PR, e diretor de graduação do curso de Filosofia da PUC-PR. Autor de diversos artigos sobre filosofia política e fenomenologia.

9 comentários:

  1. Mais um tema o qual mexe, intrínseco, com nossos neurônios morais e/ou amorais.
    Creio que o padrão ético/moral é algo corruptível e que pode ser sim uma determinante variável de cultura à cultura.
    Por exemplo, tais quais o bem e o mal, a ética enquanto um quadro moralista pode ser uma variável dualística - o que é bom para um pode não ser para outro - e isso nota-se muito entre as culturas ocidentais e orientais. Ora, para quem segue à risca, ao pé da letra, o Alcorão, dirá que o ocidente é o mal, é a negação do bem, é contra os princípios de toda uma cultura; já para alguns do Ocidente, essa maneira de pensar é diabólica. Nota-se aí a deformidade, totalmente prostituída, dos resquícios da ética, como sendo algo tão antagônico, mas que se complementam, tal qual o bem e o mal o são! Ou seja, duas raízes de uma mesma matriz, assaz relativistas!

    É um assunto que dá pra se falar a noite toda...

    Que sua semana seja iluminada, Sheila!

    Abraços fraternais reverberantes!

    ResponderExcluir
  2. Sábias, palavras Anjo, por causa de todas as variáveis que envolvem os padrões morais acabamos nos afogando nesse mar caótico contemporâneo. Um caldo cada vez mais frio e sombrio onde a humanidade se afunda...A maior questão é: conseguiremos voltar a tona depois?
    Abs

    ResponderExcluir
  3. Concordo contigo!
    O trabalhoso é retornar nadando contra a correnteza d´um rio lamacento de inundado de peixes carnívoros famélicos..rs

    Um dia a humanidade chega à nascente (Kether)!

    ABraços fraternais!

    ResponderExcluir
  4. Os gregos inventaram a política e a ética, de quebra criaram outra coisa: a desilusão... Também estou desiludida com o Brasil,sou contra qualquer tipo de corrupção, censura ou abusos governamentais, independente se eles sejam em nome do povo ou das cuecas. Abs

    ResponderExcluir
  5. Concordo e assino embaixo, Sheilla!
    Vamos rezar para que dia 31 o universo seja complacente para conosco!

    "Mestle agladece sua glandiosa plesença lá no meu tempro de paz, quelida! Que os deuses chinejos te abençoem e que sua cliança seja ablaçada pol minha cliança.. (lisos, lisos...adolo lil, Sheira - lil é o merior lemédio....lisos lisos lisos e mais lisos..assim mestle mole de tanto lil)"

    rsrs
    fui sim...e sou ainda um menino levado..rsrsrrss..mas só um "tiquim"..rsrsrssr

    agradeço sempre sua visita carinhosa e comentários engrandecedores, Sheilla!

    ResponderExcluir
  6. Oi fíria, mestle agladece seus comentálios enliquecedoles lá no meu tempro!
    E viva as balatas e os balatos, polque, lemble-se que o balato pode sail calo e só quem vende mais vende mais balato...mas, quem compla calo, ou polque tem muita glana, ou polque faz muita academia e fica com a mão cheia de caros...lslslsls

    leflita, minha discípura, leflita!

    ResponderExcluir
  7. mestle deixou uma anedota pala fíria, lá no seu plimeilo comentálio do blog do mestle!

    Paz plofunda, minha fíria...ande pera sombla, tá? lisos lisos..

    ResponderExcluir
  8. lslsls, Vou pra lá agora pra me iluminar Mestre!

    ResponderExcluir
  9. "A iruminação começa quando saímos do banheilo, fíria, ou seja, de alma ravada depois daquela corocação das clianças pla nadal"

    coroquei rá, a lesposta da chalada, fíria...

    lslslslsls

    ResponderExcluir